Polícia prende dupla com droga, arma e celulares roubados no Parolin

0
843

dfr1

Diversos aparelhos celulares novos – proveniente de furtos e roubos – mais de 850 pedras de crack e um revólver de calibre 38 foram apreendidos no bairro Parolin, na noite de terça-feira (24), durante uma ação policial realizada pela equipe de investigação da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR). Durante a ação, foram presos um homem, suspeito de receptar os aparelhos, e uma mulher, suspeita de tráfico de drogas.

As investigações iniciaram com o objetivo de identificar os autores de diversos assaltos a lojas e supermercados, onde o alvo principal dos criminosos eram os aparelhos celulares.

Edilson Braz da Silva, 28 anos, foi preso com quatro smartphones novos, ainda com marcas de adesivos de mostruários de loja. Além dos celulares, a polícia encontrou com o suspeito um revólver de calibre 38 com seis munições não deflagradas.

De acordo com o delegado-titular da DFR, Matheus Laiola, que coordenou a ação, a polícia chegou até o suspeito, após um trabalho minucioso de investigação. “Os policiais obtiveram a informação de que um dos suspeitos de participar de um roubo, ocorrido na manhã da mesma terça-feira, estaria com os produtos do crime em uma frutaria no bairro Parolin”, afirma o delegado-titular da especializada, Matheus Laiola.

Em continuidade as diligências, os policiais foram até a residência de um segundo suspeito, também no bairro Parolin. No local, flagraram Angela Rafaela Ferreira Soares, 25 anos, com 850 pedras de crack. No momento da abordagem, a suspeita embalava a droga para revender.

Além das centenas da substância já embaladas, a polícia apreendeu no local outras cinco pedras maiores, pesando cerca de 90 gramas cada uma e também materiais característicos do tráfico, como balanças de precisão, sacos plásticos e parafina.

A suspeita admitiu que a droga era dela e foi autuada em flagrante por tráfico de drogas. Já Silva, responderá por receptação e posse ilegal de arma de fogo com numeração suprimida.

“Essas prisões são decorrentes de investigações iniciadas para coibir os crimes de roubos, que estão sendo recorrentes. Por isso, a DFR tem intensificado os trabalhos para identificar e prender esses criminosos”, finaliza Laiola.

 

Lobão com Sesp

SEM COMENTÁRIO